História da República Popular da China

História da República Popular da China

Um pouco de ambientação na História da China

Até 1912 na China reinava a última dinastia imperial, a dinastia Qing. A China desse período estava arrasada pela interferência estrangeira desde o neocolonialismo, no final do século passado onde os britânicos arrasaram a economia do país obrigando-o a assinar tratados de comércio desiguais e com a oferta em grande escala de ópio entre a população. No plano externo o país influenciava a Coréia porém com a derrota para o Japão em 1895 o país perdeu sua influência fora de casa assim como o controle de Taiwan. Com a morte do imperador em 1912 a China iniciava sua fase revolucionária que culminaria na formação de uma República debilitada no mesmo ano.

A República da China de 1912 não conseguia exercer controle sobre todo o país, no interior senhores da Guerra dominavam territórios, fazendo com que o país mergulhasse em pequenos períodos de guerra civil através dos combates desses “feudos”. Após 1920 o partido nacionalista (chamado de Kuomitang) conseguiu reunir diversos territórios no norte ao mesmo tempo em que o partido começava a conhecer a ideologia comunista da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Aos poucos o Kuomitang divide-se. No Norte residia a facção socialista, sobre a tutela de Mao Tsé-Tung  enquanto no Sul a facção capitalista ainda resistia, sobre a figura de Chiang Kai-Shek. Por mais que os capitalistas lutassem, os socialistas tinham grandes vitórias no norte.

Enquanto o Kumitang dividia-se e lutava entre si, iniciava no mundo a Segunda Guerra Mundial. Na China ocorria uma invasão Japonesa, o que obrigou aos comunistas e capitalistas a declararem uma trégua. A invasão Japonesa colocou a China em uma guerra brutal, os japoneses invadiram Nanking em 1937 e procederam a um massacre historicamente famoso como O Estupro de Nanking, quando em três dias 270.000 chineses foram mortos com requintes de crueldade. Oficiais japoneses se divertiam atirando bebês para o ar e treinando pontaria com pistola mirando na cabeça de civis. Milhares foram mortos a baioneta, mulheres grávidas tiveram seus ventres abertos a espada, casas queimadas, estupros de meninas na frente dos pais, depois executando toda a família.

Enquanto a guerra eclodia em solo Chinês, os Estados Unidos tentou impedir o avanço Japonês no oriente enviando armamentos para a China. O governo Socialista de Mao Tsé não era reconhecido pelos americanos, então quem recebia os equipamentos eram os Nacionalistas de Chiang Kai-Shek. Chiang recebia armamentos que entravam com muito sufoco pela divisa Oeste, na Birmânia. Porém esse armamento ou ficava estocado nas mãos das tropas Nacionalistas (ou seja, ele não dividia o armamento com as tropas socialistas) ou ERA VENDIDO PARA OS JAPONESES. Sim, Chiang queria neutralizar o comunismo em solo chinês, seja na guerra contra os Japoneses ou guardando armamento para usar após a Segunda Guerra Terminar.

Com esse inimigo em comum, a trégua durou até o fim da Segunda Guerra, retomando a guerra civil em 1946. Mesmo assim, durante todo o período da Invasão Japonesa, comunistas e capitalistas lutaram em frentes separadas. A Guerra civil estendeu-se de 1946 durando até 1949, onde as tropas comunistas finalmente venceram ganhando muita popularidade após denunciarem a corrupção do governo Kai-Shek. Chiang foge para a ilha de Formosa (também chamada de Taiwan) transferindo seu governo, dando continuidade à República da China, ou seja, a República da China abandonou a China, ficando agora em Taiwan. Assim em 1 de outubro de 1949, Mao Tsé-Tung proclamou a criação da República Popular da China, que ficou conhecida no ocidente como “China Comunista”. Que é justamente onde ocorre o Jogo.

A China “Comunista”

Com exceção de Taiwan, Mao conseguiu reestabelecer o controle de um território todo fragmentado trazendo “paz” através do uso da violência e do terror. Antes de Mao, praticamente seis famílias comandavam a China, agora a terra e as indústrias foram divididas em o que podemos chamar de cooperativas de trabalhadores. O Partido Comunista Chinês conseguiu promover uma reforma agrária realocando famílias que perderam tudo na guerra acabando com os grandes latifundiários chineses. Com as reformas socialistas, a produção industrial cresceu 400% porém as constantes crises como a Guerra da Coreia em 1950 e alguns desastres naturais fizeram com que o país apresentasse distribuição desigual de produtos e serviços.

Num primeiro momento, a estabilidade política na mão dos comunistas conseguiu fazer com que a população aumentasse nos primeiros dez anos. Mao governava na forma de Partido Comunista Único, onde nenhum outro partido ou escola de pensamento poderia operar no país, qualquer um que discordasse dos ensinamentos de Mao ou do Comunismo poderia ser preso, considerado opositor da nação. O controle rígido do partido conseguiu devolver a atividade agrícola e industrial, porém o capitalismo ainda era um fantasma presente entre a população mesmo com a ditadura socialista. O Partido Comunista Chinês (PCC) começou uma série de reformas em 1957 que foram chamadas pelos jornais de Grande Salto para a Frente. Essas reformas visaram acelerar a implementação do comunismo no país ao coletivizar áreas rurais criando cooperativas de trabalhadores e acelerar a produção de metais. No campo diversas pessoas foram empregadas na criação de represas e programas de irrigação, nas cidades e em todo o país pessoas trabalhavam em suas casas criando fornos artesanais para fundir ferro e vender para o governo, essas medidas mal gerenciadas fizeram com que o país entrasse em um período de fome extrema, que é bem onde começa o jogo. Em junho de 1960.

Compartilhe isso: